Conversamos com Gregor Izidro sobre as origens do Garage no Brasil!

 

Image result for os pontas
Os Pontas

A energia visceral de uma juventude pós guerra, cheia de sentimentos urgentes para expressar deu origem a um movimento que balança o planeta até os dias de hoje. Ansiosos por dar vazão a uma tempestade de ideias, jovens se espremiam nas garagens americanas e inglesas para fazer um som inspirados no rock´n´roll que, como um bebê demônio, engatinhava pelo mundo assustando famílias de bem.

Parte destas bandas não economizava no crueza dos vocais ensandecidos,  nos overdrives e fuzz das guitarras e na urgência da bateria. Para rotular essa turma foi criado o termo Garage Rock, considerado pelos historiadores da música como o proto-punk.  Se não dava pra fazer limpo e afinadinho, vamos fazer sujo e barulhento.  Mas faremos de qualquer jeito.

Conversamos com Gregor Izidro (DJ Mongobeat, Fuzzfaces, Momento 68 e Gazolines) sobre o assunto e ele nos contou um pouco sobre as origens da porra toda:

O garage rock teve início na primeira metade da década de 1960, após o sucesso dos Beatles e da Invasão Britânica, quando jovens, a maioria adolescentes, resolveram aprender um instrumento e tentar imitar o que aqueles roqueiros distantes faziam em músicas gravadas em estúdio. Um fenômeno inicialmente norte-americano que logo se espalhou pelo resto do mundo.

Uma das coisas mais bacanas desta história é que, de forma incrivelmente contemporâneo para os tempos pré-internetianos, a América do Sul  participou de forma ativa desta barulheira.  A banda peruana Los Saicos, por exemplo, surgiu em 1964 e fez parte da primeira geração mundial de bandas do estilo, que contava com nomes como The Wailers, Sonics, Music Machine, Count Five, The Rivieras, etc.

No Brasil, a música pop capitaneada pela bossa nova passou para o rock’n’roll na mesma onda. A nova cena musical logo foi envolvida pela Jovem Guarda, divulgando a guitarra elétrica e impulsionando artistas ao estrelato. Mas, correndo por fora, existia mais gente fazendo rock, flertando com a surf music, psicodelia e a música brega.

Reunidos em suas garagens, a juventude cabeluda brasileira fazia como os norte-americanos: tentava emular os ídolos roqueiros de outros países, inserindo também elementos regionais comuns à nossa diversidade musical. Muitas vezes com falta de produção e até talento, usando instrumentos baratos, pedais sem nome e dando gritos fora de tom, mas com ritmos dançantes, riffs poderosos e atitude. A maioria desses conjuntos gravou apenas compactos que ficaram perdidos no tempo, parando nas mãos de aficionados.

Desde então, o país do futebol e do samba tem sido também, o do garage. O estilo, que nunca deixou de pingar nos DJ sets das festas underground,  foi ganhando gerações de bandas que mantinham vivas sua filosofia. Hoje em dia, o país tem um status muito interessante. Diversas bandas excursionam pelo mundo levando o garage nacional por ai e construindo a imagem do Brasil como um dos lugares onde tentáculos garage rock bateram pra doer.

Na década de 1990, algumas bandas e artistas brasileiros redescobriram essa sonoridade e estética, e incorporaram elementos em suas músicas, como Júpiter Maçã, The Charts, Gasolines, Ultimates, Autoramas, Thee Butchers’ Orchestra, Os Espectros, Skywalkers, Laranja Freak, Transistors, Os Hipnóticos, Fuzzfaces e Os Haxixins. Alguns desses registros podem ser ouvidos na coletânea de dois volumes Brazilian Pebbles, lançada pela Baratos Afins no início do século 21.

No ano 2000, a gravadora italiana Misty Lane lançou o disco Basementsville vol 2, com bandas como Os Canibais, Os Selvagens, Analfabitles e Os Baobás. No mesmo ano, a alemã Mágica lançou o primeiro de três volumes da coleção Hearts of Stone. Em 2011 foi a vez da Groovie Records de Portugal lançar a coletânea Brazilian Nuggets, que já caminha para o quarto volume.

Muitas bandas continuam na ativa e novas vieram, como Parallèles, Os Estilhaços, The Diggers, e Edwoods. Garage rock, proto-punk, chame como quiser. Um tipo de som cru e primitivo, com melodias grudentas e bom conteúdo harmônico, que muitas vezes evita excessos que tornam outros tipos de rock chatos e entediantes.

O Garage Xmas 2019, organizado pela Agência 55, traz este ano uma mostra muito bem selecionada desta galera.  Os Pontas, Mullet Monster Mafia, Autoramas, Time Bomb Girls, Os Haxixins e Momento 68 (com participação espacial do psicodélico Fabio Golfetti).

Separamos dez vídeos indispensáveis para explicar esta história! Nos vemos na Cecília!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s